8.12.09

O relojoeiro

" ’If you knew Time as well as I do,’ said the Hatter,‘you wouldn’t talk about wasting it. It’s him.’
’I don’t know what you mean,’ said Alice.
’Of course you don’t!’ the Hatter said, tossing his head contemptuously. ‘I dare say you never even spoke to Time!’
’Perhaps not,’ Alice cautiously replied: ‘but I know I have to beat time when I learn music.’
’Ah! that accounts for it,’ said the Hatter. ‘He won’t stand beating. Now, if you only kept on good terms with him, he’d do almost anything you liked with the clock."

Lewis Carroll - Alice's adventures in Wonderland



11:37, hora em branco matinal, lembrança do Natal que se aproxima, ressaca imaginária do tender e das passas no arroz. A graça do dia 25, para ele, era inexistir. Era uma herança. O tempo do pai era um relógio sem paradas artificiais e regalos, provocação infantil de adulto para criança obrigada a crescer, ver a realidade econômica do país e da vida e da sua bicicleta, do seu atari. Aquele tempo era um Maílson da Nóbrega anão. Agora hoje, 12:43, uma coisa apenas o faria desejar festas: uma boneca russa infinita, vermelha e dourada, cheia de afrescos, uma capaz de olhá-lo e dizer: você pode me abrir hoje até seu aniversário, o dia da criança, o dia do solitário, a festa de fim de ano do ano que vem, nenhum ponteiro há de interromper nosso ciclo, nossa conversa e intimidade. Seu presente aos outros seria um ritual de magia negra espalhando bruxinhas idênticas pelos cantos da sala e do jardim, assim estragariam também as páscoas do porvir.

14:02, viu no espelho sua cicatriz na testa, companheira quase tão velha quanto seus primeiros minutos. No dia da bicicleta, o velho não disse nada, balbuciou alguma desculpa qualquer, meteu-o no carro, lanterna quebrada, fedendo a jornal. Um bairro chegara e ele não sabia onde era. Agora, 14:14, ele nunca mais saberá. Como sempre, nada fazia sentido, por que tão longe? Por que arrumar um lugar esquisito? Qualquer um arruma carro e hoje em dia... No fim esqueceu. Carrilhão sem paradas, sem razões, gira e gira e gira e demora. Demora pra perceber o mundo, pra se importar com os outros. Discutiram coisa de carros o pai e o tiozão sujo de graxa. Este arrumou, no que devia ser 15:37 daquele dia, uma improvável bicicleta cross do fundo da oficina, semi-nova mas honesta. Veio junto na conta, um presente de causas naturais. 16:09 do dia seguinte, uma cicatriz de causas igualmente.

Hoje mais tarde, talvez 16:28, ele, logo ele, unanimidade da família, fantasiou a cicatriz resolvendo abrir no meio da hora de servir o tender, jorrando pus irônico da mesma cor do molho de ervas. Estava chocando um cuco drogado. Queria quebrar a casca e mostrar a impontualidade do velho, a falta de importância que o filho jamais conseguiu fazer o mundo merecer. 17:04, odiava as festas por caírem no verão, suava uma gota segundo. Decidiu apelar ao amuleto, a última alquimia de pulso paralisada desde o dia do velório. Uma peça de valor médio-baixo de mercado, uma pulseira de couro escuro, brilhante, cheia de um gasto justo, um envoltório metálico meio prateado pelo gasto do dourado. 17:27, ele subia a velha ladeira do bairro, toda decorada de condomínios orgulhosos de mini lâmpadas chinesas, e ele as adorava: itens primordiais do déficit comercial e espiritual brasileiro. Lá em cima, a rua do colégio, entre uma lan-house e uma franquia de perfumes, sobrevivia um relojoeiro.

17:39, ele observou os relógios de cozinha, à esquerda. O homem previsível o atendeu sem sorrir, meio calvo, meio branco da vida. Vamos verificar se a bateria funciona. Se estivesse ali, o pai diria a frase de sempre, e ele se impacientaria e diria eu sei que você se mataria em uma semana nesse ofício, é tão nobre ser as coisas que nós somos, e lembrou que o papo de ser aquilo o enchia do mesmo vazio de agora, 17:43. Funcionou? Funcionou. Mas a satisfação de ver a engrenagem girando pedia mais. O senhor poderia restaurar as falhas no metal? Sim, mas não vale a pena investir. Ele não vai durar muito. Cogitou insistir. Mas não, preferiu continuar desnatado, um Pascoal sem ilha, um pai de dia dos pais sem filhos, uma mãe sem Casas Bahia. O relógio fica e um dia vai parar. De causas naturais.


Nenhum comentário: